contador
contador gratuito de visitas
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de livrearbitrio em seu site de social bookmarking

Quem está conectado
Não há nenhum usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e nenhuma Visita :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 63 em Sex 29 Mar 2013 - 11:42
Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês

Top dos mais postadores
Admin (95)
 
marcos a cavalcanti (89)
 
JUVENCIO (79)
 
Montenegro (62)
 
Gilmor (62)
 
Mariana (43)
 
PINHO Cardoso (30)
 
BALTAZAR (30)
 
Carolzinha (23)
 
DaSilva (18)
 

contador
contador gratuito de visitas

Pedro Almodovar

Ir em baixo

Pedro Almodovar

Mensagem por Herzog em Qua 21 Dez 2011 - 7:46

"Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos" (1988) foi o primeiro grande sucesso comercial e de crítica do diretor espanhol Pedro Almodóvar. O mundo do cinema era então apresentado a um cineasta cujas marcas registradas eram a imaginação, a originalidade e as tintas barrocas, na trama, nas atuações, na direção de arte e até no mesmo figurino.
Aparentemente tão espontâneo, o diretor se revela bem mais reflexivo no recém-lançado "Conversas com Almodóvar", livro do francês Frédéric Strauss. Jornalista, crítico de cinema, ex-chefe de Redação da conceituada revista francesa "Cahiers du Cinéma", Strauss é dono de um feito: ter conseguido, ao longo de cerca de 15 anos, convencer Almodóvar a dar extensas entrevistas, algo a que é normalmente avesso.
Strauss, que dividiu seu livro por filmes e temas, disse que inicialmente não esperava do diretor uma reflexão mais profunda sobre o cinema ou sobre sua obra. "Então me surpreendeu ver o nível de reflexão que ele tem sobre seu próprio trabalho. Almodóvar realmente sabe o que quer fazer; seu trabalho é muito pensado, refletido. O que não o impede de ser muito espontâneo. Seus filmes não são intelectuais ou cerebrais, mas vivos e generosos, há um equilíbrio nele entre a inteligência e o instintivo, o espírito e o corpo", diz Strauss.
O livro de Strauss pode ser encarado como uma espécie de biografia de Almodóvar contada por meio de seu cinema. O jornalista diz que é possível encontrar, ao longo da carreira de Almodóvar, toda sua trajetória.
"Podemos seguir a evolução do homem. Por exemplo, nas entrevistas que tivemos acerca de "Volver", ele fala coisas sobre o tempo que passa, sua experiência com a vida até então etc. É sua própria trajetória como um ser humano que está em jogo. O cinema de Almodóvar está cheio de marcas muito pessoais, uma mistura que é possível e harmoniosa", afirma.

Sexualidade

Essa é uma reflexão que o próprio Almodóvar faz em suas entrevistas. Em filmes como "Má Educação" (2004) e "Volver" (2006), o cineasta conta histórias muito próximas daquilo que ele mesmo vivenciou. No primeiro, estão as questões ligadas à sua educação religiosa. Já o segundo diz respeito mais à região de onde ele vem.
Na linha do tempo traçada pela filmografia de Almodóvar, Strauss identifica uma mudança na maneira como o diretor aborda a sexualidade, um de seus temas mais caros.
"Nos primeiros filmes há uma vontade de abordar coisas que são tabus, de mostrar a sexualidade no centro das histórias, de maneira fantasiada e ao mesmo tempo séria. À medida que o tempo passa, no entanto, vemos que a sexualidade se torna algo mais complexo, quase filosófico. Caso de "Fale com Ela", em que se trata do desejo proibido. E, novamente, de um tabu terrível, porque é o desejo de fazer amor com uma mulher que está em coma", diz Strauss.
Nos 15 anos de conversas com Almodóvar, Strauss também percebeu mudanças na personalidade do diretor. No começo da década de 90, Almodóvar ainda refletia a grande agitação cultural que a Espanha experimentava. E mais: o diretor acabava de encontrar sua independência com a produtora El Deseo. "No começo da carreira, o grande objetivo de Almodóvar era fazer filmes e viver algo intenso.
Mas, pouco a pouco, ele, que sempre foi alguém com paixão pelo cinema, passou a ser um diretor que tem muito mais controle das coisas e desejo de refletir sua prática do cinema. Sua ambição, hoje, é ser um grande artista."

Recomendo: Ata-me, Tudo Sobre Minha Mãe e Abraços Partidos com a linda Penélope Cruz!!!
avatar
Herzog

Mensagens : 13
Reputação : 5
Data de inscrição : 13/12/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum