contador
contador gratuito de visitas
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de livrearbitrio em seu site de social bookmarking

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 63 em Sex 29 Mar 2013 - 11:42
Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês

Top dos mais postadores
Admin (95)
 
marcos a cavalcanti (89)
 
JUVENCIO (79)
 
Montenegro (62)
 
Gilmor (62)
 
Mariana (43)
 
PINHO Cardoso (30)
 
BALTAZAR (30)
 
Carolzinha (23)
 
DaSilva (18)
 

contador
contador gratuito de visitas

Discriminação contra a mulher sacode Israel

Ir em baixo

Discriminação contra a mulher sacode Israel

Mensagem por Admin em Qua 28 Dez 2011 - 18:22

Milhares de israelenses foram às ruas na noite de terça-feira 27 para protestar contra a segregação de mulheres imposta por judeus ultraordoxos em Beit Shemesh, cidade ao oeste de Jerusalém. No meio da massa lia-se em um cartaz: “Beit Shemesh não será uma nova Teerã”. Tzipi Livni, líder da oposição, disse aos manifestantes: “Estamos lutando pela imagem de Israel”.

Na tarde de terça, Shimon Peres, o presidente de Israel, havia encorajado o povo a se manifestar. “A nação inteira deve protestar para salvar uma maioria das mãos de uma pequena minoria”, declarou Peres.

Por maioria leia, como diz Peres, “todos nós”, ou seja, religiosos e seculares. A minoria é representada por judeus ultraortodoxos de Beit Shemesh que nos dois dias anteriores haviam enfrentado a polícia, ou, como os próprios manifestantes os alcunham, os “nazistas”. Os ultraortodoxos, diga-se, podem ser uma minoria – 10% da população – mas seus poderes são vastos visto que os partidos deles fazem parte da aliança governamental.

Portanto, os ultraortodoxos não impõe os princípios do judaísmo ortodoxo somente em Beit Shemesh. Em outras cidades espalhadas pelo país placas indicam calçadas separadas para homens e mulheres. Mulheres usam os bancos traseiros nos ônibus desde o final dos anos 80. Cartazes ordenam às mulheres a se vestirem “modestamente”. Ou seja, os braços devem ser inteiramente cobertos.
http://www.cartacapital.com.br/internacional/discriminacao-contra-a-mulher-sacode-israel/
Admin
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 95
Reputação : 31
Data de inscrição : 08/12/2011
Idade : 119

http://livrearbitrio.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum