contador
contador gratuito de visitas
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de livrearbitrio em seu site de social bookmarking

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 63 em Sex 29 Mar 2013 - 11:42
Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês

Top dos mais postadores
Admin (95)
 
marcos a cavalcanti (89)
 
JUVENCIO (79)
 
Montenegro (62)
 
Gilmor (62)
 
Mariana (43)
 
PINHO Cardoso (30)
 
BALTAZAR (30)
 
Carolzinha (23)
 
DaSilva (18)
 

contador
contador gratuito de visitas

Tema da legalização das drogas ganha força às vésperas da Cúpula das Américas

Ir em baixo

Tema da legalização das drogas ganha força às vésperas da Cúpula das Américas

Mensagem por BALTAZAR em Qui 12 Abr 2012 - 19:04


Nações latino-americanas reconhecem fracasso da guerra contra entorpecentes e querem ampliar debate

Sinalizando o que pode vir a representar uma guinada na política de combate ao tráfico de entorpecentes no continente americano, diplomatas de países onde a controvertida guerra às drogas é dada como fracassada garantiram que será instalado um grupo de trabalho durante a Cúpula das Américas para motivar ações internacionais e coordenadas.

Durante a reunião de Estado, que ocorrerá na cidade colombiana de Cartagena, ao longo do próximo final de semana, o maior empenho deve vir dos próprios anfitriões e do México, ambas nações tradicionalmente alinhadas às diretrizes proibitivas defendidas há mais de 40 anos pelos EUA.

Agência Efe

O anfitrião do evento, Juan Manuel Santos, flexibilizou seu discurso sobre o combate às drogas

Não há muito tempo, veículos da imprensa como a revista britânica The Economist argumentavam que apenas ex-presidentes da linha de Fernando Henrique Cardoso, César Gaviria e Ernesto Zedillo conseguiam margem política para advogar uma flexibilização das leis que regem o comércio de drogas. Contudo, a repressão armada a esse tipo de prática parece ter se frustrado de tal forma que até mesmo líderes latino-americanos em exercício criam margens para a discussão de medidas como a descriminalização ou a legalização.

Em novembro de 2011, Juan Manuel Santos disse que adotaria os procedimentos que se mostrassem mais eficientes e consensuais para a comunidade internacional. Na ocasião, disse que “falaria sobre a legalização da maconha se o mundo pensa que essa é a atitude mais correta” e que “consideraria legalizar a cocaína se existir um consenso”.

Poucos dias após essas declarações, sete países anunciaram o interesse em discutir novos marcos regulatórios para o comércio de drogas. Otto Pérez Molina, presidente da Guatemala, defenderia a necessidade de “regulações alternativas de mercado, que possam combater de forma mais eficiente o narcotráfico”. Até mesmo um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA revelou que seu país estaria “disposto a discutir o tema”, ainda que permanecesse contrário à legalização.

Desde 2006, quando Felipe Calderón inaugurou um combate armado contra as gangues de traficantes do país, cerca de 50 mil mexicanos foram mortos. O presidente então, iniciou uma série de críticas e acusações aos EUA pelo fato de a gestão Obama não ter renovado a proibição do comércio de armas de assalto, suposta razão pela qual teria ocorrido um aumento no número de homicídios do México.

Agência Efe

O presidente da Guatemala, Otto Pérez Molina, também propôe abordar soluções "mais alternativas e eficazes" para a questão das drogas

O jornal Valor Econômico teve acesso a um diplomata latino-americano, que alegou que a ideia para a cúpula do próximo fim de semana “é mapear vários cenários, de maneira não confrontadora, de forma a basear a futura política de drogas em abordagens que sejam as mais realistas possíveis, melhores do que as atuais”. As conclusões devem ser apresentadas à ONU.

Joe Biden, vice-presidente dos EUA, visitou o México no mês passado e considerou legítimos os debates em torno da legalização das drogas. Contudo, fez questão de frisar que "não há possibilidade de seu governo mudar sua política” a respeito do tema.

O Opera Mundi conversou sobre os possíveis desdobramentos políticos desse encontro de chefes de Estado com Pedro Abramovay, ex-secretário nacional de Políticas sobre Drogas. Para ele, a próxima Cúpula das Américas será um “momento único, com o cenário mais favorável jamais visto” para encerrar definitivamente a Guerra às Drogas.

Isso porque, “pela primeira vez, metade da população norte-americana revela-se favorável à legalização da maconha” e, ao mesmo tempo, porque Juan Manuel Santos, um dos maiores aliados dos EUA na América do Sul, assumiu uma posição “central” na defesa da legalização das drogas: “quase um Yitzhak Rabin negociando a paz”.

Na opinião de Abramovay o “grande mistério” permanece sendo o posicionamento brasileiro nessa discussão. “O Brasil nunca se manifestou internacionalmente sobre o tema. O que é certo é que o silêncio não pode ser mais uma opção”.


Fonte:

BALTAZAR

Mensagens : 30
Reputação : 1
Data de inscrição : 11/12/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum