contador
contador gratuito de visitas
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de livrearbitrio em seu site de social bookmarking

Quem está conectado
2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 63 em Sex 29 Mar 2013 - 11:42
Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês

Top dos mais postadores
Admin (95)
 
marcos a cavalcanti (89)
 
JUVENCIO (79)
 
Montenegro (62)
 
Gilmor (62)
 
Mariana (43)
 
PINHO Cardoso (30)
 
BALTAZAR (30)
 
Carolzinha (23)
 
DaSilva (18)
 

contador
contador gratuito de visitas

A política brasileira é uma salada de frutas...podres.

Ir em baixo

A política brasileira é uma salada de frutas...podres.

Mensagem por marcos a cavalcanti em Sex 13 Abr 2012 - 7:14

Há em nosso jornal uma coluna chamada Conexão Brasília da qual procurei reunir fatos passados, para complementar a matéria de hoje, intitulada:
“Como as CPIs viraram uma enganação”, que começa da seguinte forma:
Um dos recordistas em participações em CPIs, o ex-deputado federal Gustavo Fruet (PDT) costumava fazer piada sobre o comportamento dos parlamentares durante o funcionamento das comissões.
“Tem aqueles que se empolgam tanto com o burburinho que quando chegam em casa, abrem a geladeira e veem luz, já começam a dar entrevista”, diz ele.
Há pelo menos seis anos, porém, os holofotes dos inquéritos conduzidos pelo Congresso perderam força, que para comprovar, recorro á outra matéria intitulada:
“Vacine-se contra a demagogia anticorrupção”.
Esta começa lembrando alguns fatos passados, ou seja:
De tempos em tempos, discursos anticorrupção costumam comover os eleitores brasileiros. Jânio Quadros prometia varrer a bandalheira em 1960, Fernando Collor travestiu-se de caçador de marajás em 1989. Em 2002, o PT de Lula lançou a campanha Xô Corrupção, que incluía uma propaganda na televisão em que ratos comiam uma bandeira do Brasil.
Para quem não lembra, o petista é autor de uma pérola sobre o funcionamento da Câmara e do Senado.
“Há no Congresso uma minoria que se preocupa e trabalha pelo país, mas há uma maioria de uns 300 picaretas que defendem apenas seus próprios interesses”, disse ele, em 1993, só que ele tropeçou no mensalão, mas levantou-se rapidamente quando pôs as falas sobre ética no armário e abraçou-se à turma que sempre combateu.
Entre 2002 e 2004, o PPS amealhou muitos votos com uma campanha com uma mensagem ligeira e eficiente: “Vote Limpo, Vote 23”. Lembro-me, em 2006, de entrevistar o marqueteiro de campanha de Rubens Bueno, que concorria a governador do Paraná, sobre os motivos de preterir o slogan.
Segundo ele, depois do mensalão, o eleitor estava farto e desiludido do discurso sobre corrupção. Ainda assim, havia um nicho para os “limpinhos”. Em 2007, o PFL mudou o nome para Democratas e tentou de novo soprar o mofo da bandeira da ética.
Quando a imagem começou a se consolidar, no entanto, veio o mensalão de Brasília, em 2009. O escândalo atingiu o único governador eleito pelo partido, José Roberto Arruda, e seu vice, Paulo Otávio. O DEM agiu rápido ameaçando a dupla de expulsão e os dois acabaram saindo por conta própria.
Desgastada, a legenda encolheu nas eleições de 2010.
Em 2011 a sua reserva moral secou neste mês com as denúncias de envolvimento de Demóstenes e o fez largar seu bastão de ética e junto se sabe que outros políticos do PCdoB, PSDB, PPS e PT, estão envolvidos.
Daí porque, a piadinha do ex-deputado Gustavo Fruet.
Então, juntando as matérias chegasse á seguinte conclusão:
O fato é que todos esses episódios mostram que combater a corrupção deveria ser uma obrigação, não um diferencial. Nenhum político deveria precisar alardear que é probo. No mundo ideal deveria se discutir ideias para gerir melhor os recursos públicos e não campeonatos de honestidade.
Por outro lado, está certo que no mundo ideal não tem marajá nem mensaleiro. Por essas e outras é melhor nunca perder a ética na política de vista. Mas lembre-se sempre de que os julgamentos devem ficar por sua conta – nunca pela deles.
Pode demorar um pouco, mas sempre poderá aparece um novo “ético”.
-x-x-x-x-x-x-
Finalizo ressaltando sem querer entrar na seara religiosa, o que foi dito por Jesus:
“Quem não tem pecado, que atire a primeira pedra”?
Afinal, parece que a “Torres” caiu.

marcos a cavalcanti

Mensagens : 89
Reputação : 8
Data de inscrição : 27/03/2012
Idade : 73
Localização : Curitiba/Pr

http://marcaocapivari@ymail.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum