contador
contador gratuito de visitas
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de livrearbitrio em seu site de social bookmarking

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 63 em Sex 29 Mar 2013 - 11:42
Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês

Top dos mais postadores
Admin (95)
 
marcos a cavalcanti (89)
 
JUVENCIO (79)
 
Montenegro (62)
 
Gilmor (62)
 
Mariana (43)
 
PINHO Cardoso (30)
 
BALTAZAR (30)
 
Carolzinha (23)
 
DaSilva (18)
 

contador
contador gratuito de visitas

Os donos dos partidos e a verdade refletida na novela Gabriela.

Ir em baixo

Os donos dos partidos e a verdade refletida na novela Gabriela.

Mensagem por marcos a cavalcanti em Qua 20 Jun 2012 - 7:10

Para não fugir do costume, tomo emprestado como exemplo, um artigo de nosso jornal, para mais uma vez reafirmar o que é conhecido por todos, aquilo que ocorre na política brasileira, que demonstra o que já pensava Robert Michels em 1915, ele que foi um sociólogo alemão que analisou o comportamento político das elites intelectuais, tornando-se conhecido pela sua obra Sociologia dos partidos políticos e note: Á 100 anos atrás.
Desencantado com a falta de democracia interna no partido social democrata alemão, do qual fazia parte, analisou a conhecida a "lei de ferro da oligarquizarão" nos sindicatos e partidos operários e o papel dos intelectuais e das elites, a mobilidade social, dos partidos políticos na democracia moderna e as tendências das oligarquias na vida dos agrupamentos políticos,
De forma resignada, concluiu que toda organização partidária é oligárquica.
Assim é uma contradição fundamental para partidos que lutam pela democracia, mas que no interior de sua organização acabam inevitavelmente no sentido contrário do que proclamam para a sociedade.
Esta tem sido e quem sabe continuará por muito tempo, sendo a realidade de nossos partidos aqui no Brasil, tendo em vista que:
Na decisão de escolhas dos candidatos a prefeito e vereadores, os velhos caciques da política determinam os nomes para a disputa, não levando em consideração as outras opções, por exemplo: Negociações para alianças que não fazem sentido ideológico.
Os chefes, esses grandes líderes, sempre existiram e centralizaram as decisões, para os cargos de direção, o que acaba se tornando um direito. Essa apropriação de cargos de direção e para todos os cargos públicos, ocorre também porque o número de pessoas que se interessam pelos assuntos públicos é insignificante.
A confiança no dirigente, na autoridade, é reflexo da ausência de senso crítico, da falta de disposição para a participação na organização sociedade.
Assim continuamos vendo as mesmas figuras dando as cartas na política.
A justificativa desse processo é que um partido que muda seus chefes com frequência corre risco de não conseguir fazer alianças, fica sem estabilidade, o que dificulta mobilização.
Nada mudou. Na teoria fatalista de Michels, não há muita solução para esse problema, pois, quando novos chefes alcançam seu fim e conseguem derrubar a tirania dos antecessores, tornam-se iguais a eles.
Michels já dizia: “Os revolucionários de hoje são os reacionários de amanhã.”
Isso é inevitável, porque o desejo de dominar é da alma humana.
Então, ele defende que a democracia é um ideal inatingível, que a troca de governantes é como mudar o pároco sem trocar a música.
Devemos ler e olhar para essa análise e para essa falta de renovação da prática partidária como uma forma de reflexão, 100 anos se passaram e os partidos políticos no Brasil, são e serão regidos por oligarquias, que mentem e manipulam á sociedade, de serem estruturas democráticas,
Será que a sociedade deve continuar sendo uma mera observadora, às vezes crítica ou dividida por escolhas eminentemente partidárias e depois e na maior parte das vezes indiferente, sob o suposto cumprimento de que o poder emana do povo, continuando á permitir ao que ocorre em nossa política?
O nosso melhor exemplo para tudo isto, vem sendo reproduzido na novela Gabriela, esta, aliás, que originalmente aconteceu á décadas passadas e infelizmente pouco ou nada mudou de lá para cá em nossa sociedade.

marcos a cavalcanti

Mensagens : 89
Reputação : 8
Data de inscrição : 27/03/2012
Idade : 72
Localização : Curitiba/Pr

http://marcaocapivari@ymail.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os donos dos partidos e a verdade refletida na novela Gabriela.

Mensagem por Admin em Ter 26 Jun 2012 - 12:45

É meu caro marcos os Sarneys, Malufs e ACMs ainda mandam na politica nacional.
avatar
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 95
Reputação : 31
Data de inscrição : 08/12/2011
Idade : 118

http://livrearbitrio.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum