contador
contador gratuito de visitas
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de livrearbitrio em seu site de social bookmarking

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 63 em Sex 29 Mar 2013 - 11:42
Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês

Top dos mais postadores
Admin (95)
 
marcos a cavalcanti (89)
 
JUVENCIO (79)
 
Montenegro (62)
 
Gilmor (62)
 
Mariana (43)
 
PINHO Cardoso (30)
 
BALTAZAR (30)
 
Carolzinha (23)
 
DaSilva (18)
 

contador
contador gratuito de visitas

Liberdade de Expressão e nossa constituição.

Ir em baixo

Liberdade de Expressão e nossa constituição.

Mensagem por marcos a cavalcanti em Seg 16 Jul 2012 - 7:40

Jornalistas sérios, cultos, de texto límpido e muito bem escrito e informados, quando se trata de editoriais que, como se sabe, não precisam esconder seus pensamentos e posicionamentos ou se protegerem atrás do jornal para quem trabalham porém, aqueles que não tem tais condições o fazem, por pura desinformação, comodismo e irresponsabilidade.
São irresponsáveis e ficando no anonimato, nada contribuem para a cidadania e a democracia, assim, tornam-se "capachos" de seus empregadores e muito menos, honram sua profissão, mas infelizmente, reforçam na sociedade menos informada o sentimento de indignação.
Isto posto, vejamos:
No Artigo 5 de nossa Constituição é assegurado:
Inciso IV- ” É livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”.
E no inciso IX :
“ E livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.
Dentro deste contexto, encontra-se um editorial de um destes supostos jornalistas intitulada:
“Que dona Dilma nos garanta”.
Cujo conteúdo se refere ao seu discurso feito recentemente sobre educação, ou seja:
“De que um país não se mede pelo PIB, mas pelo que se faz às crianças e adolescentes”.
Fica evidente, que tanto o jornalista e seu jornal, pretendem responsabilizar e culpar a Presidente, pois, daí em diante são novamente ressaltadas as deficiências em nossas escolas e na educação, onde o maior problema, sabe-se, é de qualidade .
Num dos trechos do mesmo é dito também:
“Nas camadas mais empobrecidas, inclusive, os alunos acham mais vantajoso arrumar um trabalho do que gastar horas e horas numa sala de aula e não aprender nada”
E continua:
É uma ferida aberta – menos da metade dos que ingressam no ensino básico chegam ao final do ensino médio; 20% chegam às faculdades, fazendo do Brasil um modelo às avessas.
-x-x-x-x-x-x-
Evidentemente é uma realidade, mas neste editorial, outra vez, prefere-se jogar a culpa neste governo que certamente tem sua parcela de responsabilidade, entretanto, nada fala em relação aos demais gestores públicos estaduais e municipais, á quem compete investir nas escolas, tanto estadual e municipal, os quais, são responsáveis diretos pela educação fundamental e média existente no Pais.
Também pelo que sabemos não aborda, o desinteresse demonstrado pelos próprios políticos de todas as esferas governamentais, sem esquecer, que neste universo de falta de compromisso com a sociedade, encontra-se boa parte de nossas elites poderosas, das quais fazem parte alguns veículos de comunicação.
Ora, sem qualquer interesse em defender este governo, tal jornalista não identificado, esconde-se atrás de seu jornal e pelo que diz nossa constituição no inciso X :
“São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação”
Assim, pode-se supor que muitos destes jornais, contam com que o ofendido, não venha fazer valer seu direito e se o fizer, diriam então, que o atual governo não aceita críticas, ou seja, uma nova oportunidade de continuar os ataques.
Quanto ao exposto no editorial. a própria sociedade tem absoluta certeza, que em qualquer outro governo que tivemos de qualquer partido no poder, as mazelas foram às mesmas, bem como, as análises, que grosso modo, só contemplam o mesmo círculo vicioso de se produzir artigos que não mudam nossas realidades.
Em outra matéria intitulada: Alto investimento, baixa excelência, seu autor Jônatas Dias Lima, reproduz a opinião de reitores de algumas de nossas universidades, que dizem:
O gasto anual em ensino superior hoje no Brasil é de US$ 11,6 mil (R$ 23,5 mil) por estudante e entre as 17 nações emergentes listadas na pesquisa da OCDE, o Brasil é a que mais investe por aluno. Isso não tem sido suficiente, porém, para que o ensino superior brasileiro crie uma reputação de excelência, pois, num ranking de 48 países, o Brasil ocupa a 40.ª posição, atrás de China, Argentina.
E porque nosso País está assim colocado?
Confirma-se o exposto acima, ou seja: O baixo investimento no ensino público básico, de responsabilidade dos gestores municipais e estaduais, o que torna mais difícil a formação dos alunos dos mesmos, inclusive de atender plenamente às demandas do mercado de trabalho.
A prova em que muitos destes gestores não estão tratando com seriedade os investimentos em educação é esta:
“ Se o estado ou município não investir no mínimo 25% do seu orçamento total em manutenção e desenvolvimento do ensino, o FNDE envia, automaticamente, um comunicado aos tribunais de contas estaduais e ao Ministério Público informando o não cumprimento da lei”.
Portanto, “Não há como esperar resultados melhores em rankings universitários enquanto não se fizer uma revolução na educação básica pública” a formação básica fraca é a razão principal para o desempenho aquém do esperado no ensino superior.
No que se conclui outra realidade conhecida, que muitos de nossos universitários, fizeram seus estudos básicos e médios em instituições privadas e justamente em razão disso, ocupam as vagas em nossas universidades públicas.
Concluindo, até alguma coisa mudar, novos editoriais com as tradicionais “mesmices” continuarão sendo produzidos, certamente invertendo o sentido da liberdade de expressão.

marcos a cavalcanti

Mensagens : 89
Reputação : 8
Data de inscrição : 27/03/2012
Idade : 72
Localização : Curitiba/Pr

http://marcaocapivari@ymail.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum