contador
contador gratuito de visitas
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de livrearbitrio em seu site de social bookmarking

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 63 em Sex 29 Mar 2013 - 11:42
Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês

Top dos mais postadores
Admin (95)
 
marcos a cavalcanti (89)
 
JUVENCIO (79)
 
Montenegro (62)
 
Gilmor (62)
 
Mariana (43)
 
PINHO Cardoso (30)
 
BALTAZAR (30)
 
Carolzinha (23)
 
DaSilva (18)
 

contador
contador gratuito de visitas

Liberdade de Expressão e os Editoriais.

Ir em baixo

Liberdade de Expressão e os Editoriais.

Mensagem por marcos a cavalcanti em Ter 17 Jul 2012 - 7:32

Não há porque repetir o que foi dito no artigo anterior, exceto demonstrar que as intenções são as mesmas, quando no editorial de hoje, os ataques continuam, pelo que é dito abaixo:
A figura de retórica da Presidente foi perfeita para um exercício de demagogia e simplismo, pois parece impossível discordar de que é atrasado e infeliz um país que trata mal suas crianças.
Os argumentos falaciosos geralmente têm forte apelo emocional, parecem verdadeiros (às vezes são parcialmente verdadeiros), mas não têm validade lógica integral.
O PIB nada mais é que o total dos bens e serviços finais que a sociedade produz durante um ano e é destinado a satisfazer o consumo das pessoas, os investimentos das empresas, mais o consumo e os investimentos do governo.
Um PIB pequeno não permite oferecer elevado bem-estar social às pessoas, mesmo que governo e sociedade queiram. Não se trata de mera vontade. Trata-se de falta de condições materiais para fazê-lo.
Então cabe perguntar:
“ Por que grande parcela das crianças e dos jovens do Brasil ainda são pobres, carentes, sem educação, sem qualificação profissional, muitas vivendo em favelas e com péssimas condições sanitárias”.
Evidentemente os argumentos acima são sólidos, confirma-se assim, aquele ditado:
“Contra fatos não há argumentos”, exceto quando o próprio editorial aponta a resposta, ou seja:
a)- Ainda que o tamanho do PIB não seja condição suficiente para dar um bom padrão de bem-estar às pessoas, é condição necessária. O PIB pode ser elevado, mas pode ser mal distribuído e desperdiçado, o que condena um país, mesmo rico, a tratar mal suas crianças e jovens.
b)- Nesse caso, a resposta seria que a culpa é dos governos, que gastam mal, desperdiçam em ineficiência, desviam recursos pela corrupção e vive para sustentar uma máquina pública perdulária, inchada e imoral.
c)- Maus governos, por sua vez, em geral mantêm a população na pobreza e na miséria, mesmo com PIB relativamente elevado. Por isso a prioridade maior de um povo deve ser a luta para ter um bom sistema político e governos honestos e eficientes tanto quanto possível. Sem isso, o crescimento da economia é praticamente impossível, sem o que não há milagre capaz de tirar crianças e adolescentes da pobreza e da miséria.
Segundo o posicionamento de Luís Henrique Paiva o secretário nacional de Renda de Cidadania do Ministério do Desenvolvimento Social, um dos milagres necessários, não é outro, senão, a posição de vanguarda do Brasil na luta contra a extrema pobreza é fruto de decisões políticas que levaram o Estado a promover uma redução sem precedentes da pobreza e da desigualdade no país na última década.
Uma dessas decisões foi a de criar o programa Bolsa Família. Outra foi a de lançar o Brasil Sem Miséria, que tem na manutenção e no fortalecimento da Bolsa Família um de seus pilares.
Dentre as iniciativas adotadas para potencializar os efeitos da Bolsa Família, a mais expressiva foi o lançamento do Brasil Carinhoso, que acrescentou ao programa um novo benefício, pago a famílias com pelo menos um filho de até 6 anos e que continuavam na extrema pobreza mesmo depois de receber os benefícios tradicionais do Bolsa Família. O novo benefício começou a ser pago neste mês. Seu valor é variável e garante que, somados os rendimentos próprios e as transferências, a renda da família supere a linha de extrema pobreza de R$ 70 mensais por pessoa. Não há valor máximo: o objetivo é garantir que mesmo as famílias numerosas, hoje raras, superem a extrema pobreza. Com a medida, a extrema pobreza na primeira infância cai mais de 60%. Para toda a população, a queda é de quase 40%.
Mas os resultados do Bolsa Família vão muito além do alívio imediato da pobreza, e a recente divulgação dos resultados da segunda rodada da Avaliação de Impacto do Bolsa Família abre espaço para a discussão desses outros benefícios que o programa traz. A pesquisa levantou, em 2009, informações de mais de 11 mil famílias, entre beneficiárias e não beneficiárias, e cobriu áreas tão diversas como saúde de crianças e gestantes, educação, autonomia das mulheres, trabalho infantil e trabalho adulto.
Foram observadas, nas famílias beneficiárias, melhoras nos cuidados de pré-natal, no aleitamento materno, na vacinação das crianças, nas taxas de aprovação escolar e no poder de decisão das mulheres – seja na compra de bens duráveis, seja na utilização de métodos de contracepção. O fato de ser beneficiário do Bolsa Família reduz o trabalho infantil, postergando a entrada dos jovens no mercado de trabalho. E o programa não gera “acomodação” dos beneficiários adultos, pois sua participação no mercado de trabalho ocorre em níveis semelhantes aos dos não beneficiários.
CABE RESSALTAR ESTA AVALIAÇÃO FINAL: Nunca é demais destacar que, graças à sua boa focalização nos mais pobres, a Bolsa Família custa menos de 0,5% do PIB. Ou seja, além de ser um instrumento eficiente, é também um dos que produzem mais resultados na luta contra a extrema pobreza.
Esta avaliação deste secretário estão contidas na edição do mesmo jornal, então cabe perguntar:
Qual você acha mais contundente ou verdadeira?

marcos a cavalcanti

Mensagens : 89
Reputação : 8
Data de inscrição : 27/03/2012
Idade : 72
Localização : Curitiba/Pr

http://marcaocapivari@ymail.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Liberdade de Expressão e os Editoriais.

Mensagem por Montenegro em Sex 20 Jul 2012 - 2:12

cavalcanti, pra variar ótimo texto, só não vejo atrelamento entre o pib e idh.

Cuba tem um pib baixo e um elevado bem estar social, por outro lado o pib norte americano é elevado e o país não tem sequer sistema publico de saúde.
avatar
Montenegro

Mensagens : 62
Reputação : 3
Data de inscrição : 11/12/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum