contador
contador gratuito de visitas
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de livrearbitrio em seu site de social bookmarking

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 63 em Sex 29 Mar 2013 - 11:42
Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês

Top dos mais postadores
Admin (95)
 
marcos a cavalcanti (89)
 
JUVENCIO (79)
 
Montenegro (62)
 
Gilmor (62)
 
Mariana (43)
 
PINHO Cardoso (30)
 
BALTAZAR (30)
 
Carolzinha (23)
 
DaSilva (18)
 

contador
contador gratuito de visitas

É dando que se recebe!

Ir em baixo

É dando que se recebe!

Mensagem por marcos a cavalcanti em Qui 20 Set 2012 - 8:41

Este tema é a fórmula usada pelos políticos e seus partidos, dentro da seguinte análise:
Sempre estivemos em tempos que na montagem de governos, há a disputas por cargos e funções por parte de partidos e de políticos. Ocorrem sempre negociações, carregadas de interesses e de muita vaidade. Neste contexto, se ouve citar um tópico da inspiradora oração de São Francisco pela paz “é dando que se recebe” para justificar a permuta de favores e de apoios onde também rola muito dinheiro. É uma manipulação torpe do espírito generoso e desinteressado do cidadão brasileiro.
Onde começou?
Sempre existiram más fiquemos apenas nos últimos 27 anos, especificamente após o período da ditadura, onde todos os governos civis usaram esta prática, pelas quais, estão mais interessados em defender privilégios do que garantir direito para todos.
Se considerarmos tal realidade, cada governante ou partido que se sucedeu no poder, que ao mesmo tempo é apoiado pelo poder econômico, uma questão tem permanecido: as diferenças nas classes sociais continuam existindo, pois sempre tivemos elites econômicas, somadas á intelectuais, onde boa parte, apesar disso, ainda é atrasada, pois, nunca pretenderam se reconciliar com o povo e desta forma, negam seus direitos, não se incomodam que suas vidas sejam arrasadas pelas necessidades e nas eventuais conquistas com muita luta, preferem colocá-lo outra vez, numa condição subalterna ou no lugar que acham pertencer.
Evidentemente está se falando das elites arraigadas no conservadorismo. Não querem mudar, nem se ajustar ao novo tempo. Mais fingem fazê-la, porém, Internalizaram a dialética do senhor e do servo. Saudosistas, preferem se alinhar de forma agregada e subalterna, ao poder econômico que possuem e difamam a coragem, a autoestima e a autonomia do país, decisivo para o futuro sob todas as suas formas, especialmente o econômico, então, orgulhosas em seus costumes , ainda preferem um Brasil menor do que eles para continuarem a ter vantagens.
O objetivo de parte destas elites não é outro, senão, deixar milhões de pessoas à mercê de seus caprichos e compadrios, bem como, extrair o máximo das comunidades e impedi-las de se desenvolver de forma auto sustentável e para consumar tal façanha, agem destruindo sutilmente a autoestima do indivíduo. Sem amor próprio, ele e sua geração ficam viciados na subserviência, sem altivez, sem voz, sem vez e ainda preferem criticar o assistencialismo das bolsas como se estas não fossem fatores à inclusão social.
O melhor exemplo é o que acontece em boa parte das periferias de qualquer município, regiões e legiões de pessoas, onde suas condições de sobrevivência, entre as quais, as questões de educação, saúde, infraestruturas em geral, são reduzidas ao mínimo em providências e até quando estas são proporcionadas parece “favores” e não direitos, cujo objetivo não é outro, senão, tentar acomodá-las temporariamente na situação miserável em que vivem. São falsos provedores de vários bens, do que se concluí ser a forma de dominação clássica, até baseada na truculência, pelas quais também usam as mesmas bolsas que tanto criticam, para permanecer no poder.
Em tal processo, iludem o restante da sociedade e não raro culpam o governo no poder, especialmente quando são opositores do mesmo, más agem exatamente ao contrário, quando ele dá continuidade aos privilégios que sempre obtiveram.
A fórmula que usam é procurar manipular a outra parte da sociedade, aquela considerada como classe média, induzindo á achar que os programas sociais, são apenas assistencialistas, cujo propósito é de apenas cativar o voto. È verdade, pois, muitos destas elites e seus políticos fazem o mesmo, evidentemente com outras configurações. É na verdade, outro tipo de esmola que oferecem, tudo não passa de discurso demagógico.
Mesmo generalizando, boa parte da sociedade esclarecida, tornou-se consumista e ao mesmo tempo, individualista pelo que se percebe nas últimas décadas, na qual se evidencia um quadro de enfraquecimento de valores, tanto da cidadania, da solidariedade, da igualdade e do espírito público, etc
A explicação é simples:
Parte desta elite poderosa ou da burguesia, tem alto poder de influência e tudo o que for dito por ela pode ter um efeito em toda sociedade e, infelizmente a população refém de informações pega carona nessa onda e repete o mesmo discurso das classes dominantes. As mesmas que quando preveem que seus privilégios serão repartidos, usam dos meios de comunicação para garantir seu status dominante, e o povo mal informado segue os mesmos passos achando que este grupo social tem toda razão.
É difícil acreditar que parte de nossa classe média, não consegue conviver numa sociedade igualitária, onde os próprios excluídos continuam sem saber quais são os seus direitos. O pior de tudo é muitos, por melhores condições econômica, social e intelectual, cai na armadilha de certos formadores de opiniões, que aproveitam a desinformação para promover os piores tipos de mentiras e delas manter as desigualdades.
Para não me alongar, vamos á um exemplo recente:
“O aumento acima da inflação nas mensalidades das escolas particulares”.
Inúmeros país da classe média declaram que farão um aperto em determinadas despesas, para fazer frente á esta nova realidade, justificando que seus filhos estão integrados ás mesmas e evidentemente á qualidade que elas oferecem.
Sem dúvida, alem de uma escolha é mais que isso, um direito, entretanto, exatamente neste ponto pode estar uma forma de individualismo, portanto, confirma o acima mencionado e faz muito mais:
Enquanto esta parte da sociedade não lutar para que as autoridades e políticos de qualquer esfera de governo, invistam nas escolas públicas, na saúde pública, entre outros, evidentemente, eles continuarão priorizando as ditas bolsas, as quais são custeadas por esta mesma classe média.
Este não é nada mais que um circulo vicioso, que esta parte da sociedade poderia mudar, para que seus próprios filhos pudessem receber iguais benefícios, daí cabe perguntar:
Adianta reclamar e culpar a “maldita carga tributária”?
Não. Afinal, ela está privilegiando boa parte das próprias elites.
Então, viva o individualismo.

marcos a cavalcanti

Mensagens : 89
Reputação : 8
Data de inscrição : 27/03/2012
Idade : 72
Localização : Curitiba/Pr

http://marcaocapivari@ymail.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum